terça-feira, 19 de abril de 2011

Felicidade no gerúndio

A gente programa tudo direitinho: arruma a casa, as malas, o coração, a vida... Vai organizando tudo para fazer acontecer, para alcançar sonhos e metas. Vai incluindo/gerando gente nova na vida, vai colocando tudo nos lugares, cumprindo os prazos, fazendo as tarefas de casa direitinho, pagando as contas e os impostos em dia... A gente acha que tá com tudo sob controle e acaba, por conta disso, achando que é infalível. A gente tem por certo o que é efêmero. A gente aposta alto e joga todas as fichas em condicionais que simplesmente podem não acontecer. A gente vai pisando firme como se houvesse um escudo de proteção ao nosso redor, como se o mundo fosse um lugar seguro a ser desbravado, como se nada pudesse nos deter. A gente tem certeza, foco, desempenho e força de vontade e sente que tá podendo, que mata a bola no peito e faz o gol. A gente imagina antecipadamente todas as realizações, todas as conquistas, todos os méritos e sorri. A gente vai com tudo e um dia descobre que não tem poder algum, que não depende só da gente, que pode cumprir todas as obrigações e, ainda assim, tudo dar errado. A gente descobre que não está nas nossas mãos, que há sempre trocentas variáveis sobre as quais não se tem controle algum. A gente sofre quando a vida joga na nossa cara que as surpresas podem mudar todo o script. Dói ter de reescrever todos os planos e projetos. Dói ter de se reinventar, adaptar, recomeçar. Dói ter de voltar à estaca zero depois de ter caminhado tanto. Mas depois que a gente recomeça a andar, a gente entede que o destino não é importante, mas a companhia na viagem e a paisagem do caminho. Pouco importa o plano, o traçado, a meta, mais valem as alegrias cotidianas, o bate-papo, os sorrisos. A gente entende, enfim, que a felicidade se encontra no gerúndio e não, no futuro do presente; e que também de nada vale se o pretérito foi perfeito, imperfeito ou mais-que-perfeito, o que importa mesmo é o que está sendo e só.

5 comentários:

Mirys + Guigo + Nina disse...

Cele,

"As provações de Deus nunca vão te levar para onde o amor e a misericórdia Dele não te alcancem!"

E você está provando isso pra mim (antes de mim mesma...)

Profitez le voyage!

Bjos e bençãos.
Mirys
www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com

Silvana Alves disse...

amo ler seus textos...
por mais que às vezes quando vc escreve está triste e se sentindo vazia, eu amo eles..pq vc é transparente e tem uma alma linda...
felicidades

Lu disse...

Querida,
concordo contigo, o que importa é seguir, é caminhar...com relação ao seu outro post, a opinião dos outros é irrelevante, temos direito a sorrir, ou melhor, a gargalhar de novo e ninguém tem nada com isso. Só nós sabemos o quanto é difícil superar e o valor que isso tem.
bjs milllllllllllllllllll
Lu

Stranger disse...

Fabrício Carpinejar disse que ninguém escreve porque tem alguma coisa a dizer, mas sim porque tem alguma coisa a apagar. É você. Te admiro. =**

Mariana Brizeno disse...

Marcele,
Na verdade, por mais estranho que possa parecer, as coisas podem sempre ser melhores do que o plano perfeito que temos pra nossa vida.
No fundo, no fundo, é mto bom saber que não podemos controlar tudo...
Acho linda a forma que vc escreve, me identifico... acho que pq tb AMO escrever, e me faço entender na escrita como de nenhum outro modo.
Eu ia amar te conhecer um dia.
Bjus e FELICIDADE NO GERÚNDIO SEMPRE.
Mari