sexta-feira, 20 de maio de 2011

Eu nunca quis merecer outro lugar

Em se tratando de luto e de superação, eu me vejo chegando no final da estrada, naquele ponto em que o caminho acaba e você inevitavelmente tem que abrir clareiras para construir uma estrada nova. Não que eu vá esquecer as belas paisagens por que passei. Não que eu não vá lembrar com saudade daquilo por onde andei. Quem é que esquece de Paris depois de ter batido pernas por lá, por exemplo? Não dá. Vezenquando, quando se pensa em destinos e roteiros de viagens, você até quer muito ir lá de novo. Vezenquando, vem essa nostalgia por aqueles momentos tão bons e tão únicos que foram vividos. Mas, no meu caso, não dá mais. É como se Paris tivesse deixado de existir e eu tenho que construir outros roteiros agora. Dizem que Praga e Veneza são lindas também.

Em se tratando de luto, eu sinto que estou no finalzinho do processo, porque ainda me dói vez ou outra, ainda me derruba algumas lágrimas e ainda me faz pensar que melhor seria se não tivesse acontecido; mas eu encaro tudo como um fato consumado e não mais como um processo, como um gerúndio, como se eu ainda estivesse no meio do caminho. Eu vejo e lamento o que deixei para trás, mas encaro, boto fé e invisto no que está por vir. Olho para o futuro e me sinto pronta, inteira e sinto que as coisas assentaram, se acalmaram, abrandaram dentro de mim. É como se eu tivesse aceitado o inexplicável, o improvável, o inaceitável até. Dizem que ter esperança é a melhor maneira de ser feliz.

Em se tratando de luto, eu sinto que eu consegui colocar de novo o carrinho nos trilhos, consegui varrer as sujeiras todas que o tornado espalhou no meu mundo, consegui arrumar a casa e o coração, consegui cuidar da burocracia, consegui traumatizar minimamente minha alma e os meus filhos. Não que a vida seja um mar de rosas agora, que não haja sobressaltos e momentos tristes, que não haja desespero e dor vezenquando. Não é isso. Eu só consigo enxergar esses altos e baixos como o comum dos meus dias, todo mundo tem seus momentos. Não é igual para todos. Acredito que o momento baixo do Eike Batista, por exemplo, seja num barco em Côte d'Azur, enquanto o meu é trancada no banheiro. Mas temos todos nossos momentos. É como se eu tivesse entendido que saber o que fazer quando tudo fica embaçado fosse o mesmo que descobrir a pólvora ou a cura da AIDS. Dizem que resiliência é uma qualidade em tanto.

Em se tratando de luto, eu acho que já deu. Não quero mais escrever dessa saudade, desse momento, dessa dor. Nada mais será novo, nada mais será frutífero. Acho que já extravazei o suficiente. A dor não mais lateja. Não que ela simplesmente vá se acabar agora. Não que eu acredite que ela evaporará de mim de uma vez por todas. Não acho. Só percebo que não vale mais a pena contar o tempo e revisitar esse passado. Não vale mais a pena conjugar o futuro do pretérito. O que vivi foi muito bem vivido. O que sofri foi muito bem sofrido. E se exauriu. É como se o assunto tivesse se esgotado dentro de mim, eu retorno lá no meu porão de dentro e não encontro nada que não tenha sido escacaviado. Dizem que saber abrir mão é ter sapiência.

Em se tratando de "Não quero merecer outro lugar", eu acho que o blog encerrou seu ciclo e cumpriu o seu papel. Falei aqui de todas as alegrias da minha vida de mulher casada e mãe. Falei da minha dor de ver essa mulher, que eu adorava ser, ser partida ao meio, quebrada em muitos pedaços. Falei do meu luto e de todo processo de superação, dos entraves, da burocracia, dos julgamentos, de como lidei com as crianças e da minha forma de encarar tudo. Falei demais, expus demais, chorei demais escrevendo posts e cartas. Vi muita gente ser tocada com a minha história, senti amor e carinho de pessoas que eu nem conhecia, recebi emails com palavras delicadas de vários cantos do país e até do exterior e contei com a solidariedade de amigos queridos. Sinto que ajudei muita gente, toquei as pessoas, mostrei uma nova forma de enxergar a vida. Fico feliz. A minha vida mudou também e domingo um novo ano começa pra mim. Serei então mais velha que o Thi jamais foi, minha vida continuará de um ponto em que a dele jamais alcançou. Sinto então que a nova idade abre para mim uma nova oportunidade. E eu quero viver isso, quero desfrutar desse novo tempo e, para viver plenamente a novidade, eu não posso retornar aqui sempre, eu não posso conviver com esse passado lindo e inesquecível na minha rotina.

Por isso e por muito mais coisas, eu me despeço desse capítulo, o mais feliz e o mais triste de todos, dezesseis meses depois da morte dele. A vida recomeça no "Céu Azul após a tempestade". A vida continua com esse passado no passado e com o presente do presente. Agradeço demais aos seguidores e às centenas de leitores anônimos que me visitam diariamente e peço desculpas. Eu nunca quis merecer outro lugar, mas eu acabei tendo que mudar.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Homenagem a quem de direito

Ano passado, eu contei num post a importância e a perenidade da nossa amizade. Eu contei o que fomos e também o que somos e falei o quanto essa amizade é importante para mim. Recentemente, ele alçou um lugar invejável no serviço público e essa conquista me fez parar pra pensar um pouco na história que eu vi acontecer desse amigo muito querido.

Ele saiu daqui de Fortaleza ainda adolescente, em busca do sonho de menino de ser piloto de avião. Foi lá para longe, para a escola de cadetes da aeronáutica e dessa para Academia da Força Aerea e fitou de perto aqueles aviões que ilustravam e permeavam seus sonhos de menino. Mas a vida, minha gente, não depende só dos planos que traçamos para gente mesmo. E, numa dessas reviravoltas que o mundo dá, ele foi dispensado da academia e voltou pra casa sem realizar esse sonho.

No retorno, encontrou a turma de amigos já envolta nas suas faculdades, todo mundo mais ou menos encaminhado e ele, imagino eu, apenas com um punhado de sonhos frustrados. Voltou para um banco de cursinho, onde conheceu a mulher da sua vida. Juntos se preparavam para o vestibular. Ela, medicina. Ele, odonto (???). Isso mesmo! Era um espanto ele querer odontologia, um curso que não tinha muito a ver com ele. Eu vi isso na época, mas nem me atrevi falar qualquer coisa.

Ele prestou vestibular e, a despeito da excelente colocação na primeira fase, na segunda fase ele perdeu posições e não conseguiu se classificar. Imagino eu que esse deva ter sido um momento muito ruim na vida do meu amigo. Ali, ele sabia que encararia outro ano de cursinho, outro ano sem resolver sua vida. Ali, eu acho, nunca conversamos sobre isso, que ele deve ter se sentido derrotado e triste e incapaz (eu me sentiria assim).

No ano seguinte, ele prestou vestibular para Direito e foi assim que ele foi parar lá na faculdade em que eu já estudava. Logo no começo do curso, ele passou num concurso de nível médio para um Tribunal aqui no Ceará. Olha que coisa boa: ainda na faculdade e com um emprego público federal! Logo que terminou o curso de Direito, ele passou num concurso para Procurador Federal e foi morar loooonge daqui. Mas, gente, esse ano ele passou num concurso pra Juiz!

Eu sinto que ele sabe bem o lugar que alcançou. Sinto que ele sabe bem a importância do cargo que ocupa. Eu sinto que ele não perdeu nada daquele menino que sonhava em ser piloto. Sinto tanto orgulho de ser sua amiga, Filipe, tanto orgulho! Meus olhos se enchem de lágrimas e daqui de longe, eu aplaudo cada uma das suas conquistas e torço muito, muito, muito mesmo para que você e a Aline sejam muito felizes.

Feliz Aniversário, meu amigo!

terça-feira, 17 de maio de 2011

Não será mais...


Um pouco introspectiva, pensativa, reflexiva. Um pouco trancada dentro de mim e relutando muito em conjugar o futuro do pretérito. Fato é que meu aniversário se aproxima. Fato é que será efetivamente o primeiro aqui, em Fortaleza, e sem ele. Fato é que seria aniversário de casamento também e o futuro do pretérito aparece nos verbos, jogando na minha cara o que não será mais futuro do presente.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Atitude

Eu preciso do meu silêncio, eu preciso da reclusão e dos meus botões para colocar as ideias no lugar. Quando os pés abandonam a terra firme e resolvem me levar para planar por aí, eu puxo as correntes que me seguram ao mundo real e volto ao solo, à minha solidão. Eu preciso dessa reclusão para entender os mecanismos que me movem. Eu preciso dessa ausência de todo mundo para perceber o que me habita. E, com a cabeça mais ou menos em ordem, escolho algumas poucas pessoas para compartilhar o que penso e o que sinto. Elas ouvem meus dramas, colhem minhas lágrimas, escutam a minha voz embargada e seguram minha mão.
 
Eu preciso de paz para arrumar a bagunça que se criou dentro de mim depois de um longo período vivendo sem refletir, agindo no impulso, pagando pra ver. Eu preciso aprender a desatarrachar os pesos que carrego nas minhas botas. Eu preciso aprender a me livrar do que não é essencial, do que não é prioritário, do que não é. Eu preciso me livrar da sujeirinha que foi escondida embaixo do tapete. Eu preciso aprender a limpar o campo, retirar ervas daninhas e me livrar do que eu não quero ver crescer na minha horta. Preciso semeá-la com amor próprio e auto estima, eu preciso vê-la florescer, mesmo que para isso suje minhas mãos. O terreno é inequívocamente fértil, mas precisa ser trabalhado. E é serviço braçal e diuturno. É serviço de camponês e depende das intempéries do clima.
 
Talvez esse momento reflexivo dure muito mais do que eu esperava porque eu tenho muito mais para limpar que imaginei. Talvez eu perceba que há coisas que simplesmente não posso absorver. Talvez eu termine por descobrir que tudo é mesmo efêmero e que as certezas que me moveram ontem foram levadas como água da chuva para longe de mim. Talvez nem haja certezas nem garantias nessa vida. Talvez eu esteja mesmo perdida e cambaleante, tateando no escuro e esperando que me salvem desse breu de mim. Talvez eu seja até mais forte do que imagino e consiga superar fácil esses vínculos de dependência que criei. Talvez eu descubra que o caminho certo era justamente o inverso do que eu escolhi e que minha única alternativa seja dar meia volta. Ou não.
 
Eu não sei, mas a minha ponderação em dar um passo, qualquer passo, para frente ou para trás, já é uma atitude.
 

domingo, 15 de maio de 2011

A dor também dói em mim

Eu já falei aqui como eu sinto a dor daqueles que eu quero muito bem. Não é fácil assistir passiva e impotentemente alguém que eu amo sofrer. Ouvir o choro que sai como se de um animal ferido, ouvir a voz embargar, ver a dor pesar os olhos e transfigurar o rosto, me corta coração, me enche de tristeza, me molha os olhos como se comigo fosse. Eu não consigo ser indiferente e me sinto culpada demais por não poder fazer absolutamente nada. Esse fim de semana, três pessoas das mais queridas em minha vida estão passando por esses momentos de escuridão, de sensação de perdido, de dor.

Cada dor dessa, que meus queridos carregam, é única, pessoal e intransferível. Cada dor dessa com motivos tão diferentes entre si inunda o ser de cada um deles, pessoas tão próximas a mim, de maneira que é capaz de estragar um dia, pintar de cinza um céu bonito, fazer perder a fé na vida e a esperança, fazer achar que não vale a pena. Cada dor dessa, que na verdade é deles, dói em mim também e escurece o meu viver.

Corta o coração acompanhá-los assim tão de perto, ouvi-los lamentar, chorar, pesar. Dilacera-me ser essa pessoa com tantos problemas pessoais, pendências a resolver, contas a pagar, coisas a fazer que não posso ser para cada um deles o ombro amigo que merecem. Quisera eu poder fazer muito mais e solucionar o sem-solução de cada um e, para os casos em que isso não fosse possível, simplesmente ajudar a anestesiar o que é lancinante. Quisera eu ter o poder de fazê-los passar por isso sem sofrer tanto, sem rasgar tanto a alma. Quisera eu poder ajudar quem quer fugir a suportar ficar; quem quer convencer a acreditar no sim e quem quer sentir a superar.

Eu não tenho esse poder, e me conformo em saber que sou um bom ouvido para partilhar também quando dói e que eles contam comigo e confiam nas opiniões que dou. Sei, com a convicção de quem viveu a dor, que chega o momento em que tudo se assenta dentro da gente. Sei que a gente sobrevive e supera e tudo se ajeita, confirmando o clichê que diz que tudo dá certo no final. Sei que estarei por perto, ainda que em silêncio, ainda que apenas com um abraço, ainda que apenas com pensamentos e desejos bons, ainda que toda ouvidos, para que vocês saibam que há alguém mais no mundo que compartilha o sofrimento com vocês e que está do lado também nos dias de deserto.

Amo vocês três e tenho certeza que vocês sabem quem são!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Ainda sobre o Dia das Mães

Resolvi postar mais algumas fotos da Semana do Dia das Mães.

Matheus e Thomás fazendo pose

Thomás usando o charme

"Tenso" no backstage

Vovó Paula, Thomás, Matheus e Vovó Dedê

Mais uma vez

Mais uma remelentos

Com a Lalá

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Ser feliz exige coragem

Olha, eu preciso que você acredite, você aí, que tá triste, abatido, deprimido, eu preciso que você acredite porque eu falo isso com conhecimento de causa e é verdade: VAI PASSAR! Seja lá o que foi que fizeram com você, que peça a vida pregou, que rasteira, que puxada de tapete, que porta na cara, que motivo de desesperança você tenha, o que levou a perder a fé, seja o que for que faça seu peito latejar numa dor que parece não ter fim, acredite: vai passar! A gente não sabe em que momento exato isso acontece, a gente não consegue antever nem sentir a transformação que vai acalmando tudo aos pouquinhos. A gente não sente a dor se esvaindo, desaguando para fora da gente. E tem até uns casos de quem se acostuma ao sofrimento de maneira tal, que mesmo em face de uma possibilidade de felicidade, se acovarda e se esconde, permanecendo no escuro de si justamente porque é lugar quente e conhecido. Mas até para estes casos, dos que se acomodaram na dor, eu afirmo: Vai passar!

Um dia qualquer, numa quarta-feira comum, no meio do trânsito infernal da hora do rush, sem querer, você se dá conta de que aquele quentinho no coração voltou, de que há uma paz ao seu redor, e de que há um sorriso tímido nos lábios, daqueles que tentam esconder a tonelada de felicidade que inunda o que há por dentro. Assim, sem que você se dê conta, a alegria de viver volta como ondas de uma maré enchendo, cada vez mais perto da sua costa, até que exploda nas pedras de contenção e inunde toda sua rua. A enchente da maré é inescapável e a força das ondas também e elas sempre nos alcançam e não é possível saber de antemão o tamanho do impacto e do alcance. O que se sabe, por certo, é que vai nos alcançar, nos acertar e nos derrubar e qualquer resistência, fuga, medo, parede de contenção, muralha, escudo, arma, não poderá impedir, nem conter, nem evitar.

O tempo é aliado da felicidade e juntos eles trazem as respostas para todas as desilusões que sofremos. As coisas se encaixam em algum momento e, do nada, num dia qualquer, a gente tem essa visão. Não que se deixe de sofrer pelo que se perdeu, pelo que se foi, pelo que não se alcançou e que se queria muito. Não que se esqueça, não que se apague a nostalgia do que foi embora para sempre. Não que não se lembre dos sonhos frustrados e das expectativas de tantos momentos felizes que foram construídos. Todavia, chega uma hora em que a gente olha para as teses apresentadas e entende a conclusão. A gente observa os pressuposto e vê um argumento lógico. A gente entende, não por resignação, mas por consciência de que as coisas surpreendentemente se assentaram.

Da mesma forma que fomos surpreendidos por peças traiçoeiras, o somos também por doces surpresas. E o coração da gente é bicho besta para surpresas agradáveis. Ele amolece, ele enternece, ele derrete. E, mesmo que seja um deslumbramento depois de tanto tempo no escuro, a gente se pega surpreendido admirando a lua e o céu, a gentileza das pessoas, um arco-íris, uma gargalhada, um bom filme, um café quente com pão de queijo, um queijo coalho com doce de leite recheando uma tapioca, uma mão que segura a mão, uma palavra de carinho numa manhã chuvosa, um abraço apertado de quem se quer bem. E, diante desses acontecimentos tolos, corriqueiros, a gente sorri profundo porque é o coração que está sorrindo também.

Haverá ainda adaptações, dissabores, vida ordenando maturidade, cobrança das responsabilidades assumidas e medo. Mas saiba - você pode até não acreditar nesse momento, pela dor que embaça a vista, pelo coração partido, pelo que impede o ar de entrar nos pulmões - que essa transformação ocorre e é uma delícia sentir. E quando essa paz, que só a felicidade é capaz de provocar, se hospedar no seu peito, você entenderá que a gente tira de cada fundo do poço nossas maiores lições. Somos, sim, capazes de sobreviver a todas as devastações e cataclismas e piores momentos. Somos, sim, capazes de sobreviver quando nossos piores pesadelos, maiores medos se tornam reais e se instalam na nossa vida.

Diante da sua superação inequívoca, e diante do calor que emana no seu peito, diante do sorriso estampado nos lábios, uns poucos acharão você leviano, uns outros sentirão felicidade ao assistir a sua, uns outros afirmaram que  é falsa e condicionada a drogas pesadas e de uso controlado, outros dirão que utopia, acomodação, desprendimento. É a cômoda e fácil opção dos que não entendem direito como se pode ser capaz de sentir de novo depois de sofrer tanto.

Uma vez vivida toda essa transição, uma vez superado o pior momento da vida, você saberá que ser feliz exige coragem. Coragem para se jogar, para sentir, para sonhar, para tentar de novo mesmo que o mundo pareça um não. Coragem para partir para guerra, enfrentar a luta, preparar a guarda, abandonar o medo, o preconceito, a ansiedade, a expectativa pela aceitação dos outros. É preciso coragem para meter as caras, arriscar e, então, tudo acontecerá baixinho dentro de você. Abandone os métodos aprendidos em anos de vida normal, abandone as teorias, os planos, os sonhos de antes, abandone a insegurança, a perspectiva da decepção. É preciso ter CORAGEM! Quando chegar a hora de guerrear pelo que manda o coração, seja forte, prepare todas suas reservas, e lute. Porque a gente não tem garantia de nada, não tem contrato de permanência, não tem prazo, não tem cronograma predeterminado, mas a gente sabe que o objetivo final é tão-somente ser feliz.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Por que eu escrevo um blog?



Remeto a um texto escrito em novembro de 2010 que explica direitinho. Aqui o link ó:

Metalinguagem

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Eu sou

"Nos raros e vastos instantes em que consigo experimentar a liberdade da ausência de  expectativas, costumo receber melhor o presente. Um bocado de vezes, eu recebo o presente melhor. Enquanto eu o desembrulho, percebo, em geral um tanto surpresa, que não preciso necessariamente que algo mude para eu ser feliz porque eu já sou. Apesares, pesares, incluídos.

É claro que os acréscimos são muito bem-vindos." (Ana Jácomo)

domingo, 8 de maio de 2011

Mamarazzi Week 5


Saindo para o almoço na casa da Vovó Dedê.

Mamarazzi Week 4
Mamarazzi Week 3
Mamarazzi Week 2
Mamarazzi Week

DIA DAS MÃES

Eu não tenho dúvidas de que não há amor mais profundo, mais inteiro, mais integral, mais completo que de mãe. E, por mais que se escute muito falar sobre isso, a gente só entende efetivamente quando é atingida em cheio e irreversivelmente por ele, quando a gente se torna uma. Eu tô falando de um amor que não sabe de limites nem de obstáculos, que não entende as palavras impossível e desistência, e que só pode ser compreendido se se partir do pressuposto que é um amor infinito.

Quando a gente se torna mãe, a gente percebe que a vida tem realmente uma razão de ser, que faz sentido acordar cedo e trabalhar duro e cumprir determinados pepéis. Quando a gente se torna mãe, a gente aprende o significado de altruísmo, de entrega, de proteção. Quando a gente se torna mãe, a gente descobre um amor puro e genuíno, que doa muito mais que recebe, que entrega tudo que se tem, que faz muito mais do que é capaz apenas para obter um sorriso.

Quando a gente se torna mãe, a gente se biparte, e vê uma parcela (muito grande e talvez a mais importante) da nossa existência vivendo em outro corpo, batendo em outro coração, respirando em outro peito. Quando a gente se torna mãe, o nosso umbigo deixa de ser o centro do mundo, os nossos desejos deixam de ser prementes, os nossos pequenos luxos tornam-se de menor importância ante aquele outro ser pequeno e dependente e suas necessidades urgentes.

Quando a gente se torna mãe, a gente aprende a admirar o evoluir de outro ser humano, a aplaudir com o coração aos pulos todas as conquistas e pequenas vitórias, seja uma medalha numa olimpíada de matemática, seja a aprovação num vestibular concorrido, seja conseguir ficar em pé, seja conseguir fazer cocô no troninho. Quando a gente se torna mãe, a gente também se torna mais plena, mais mulher, mais feliz e ganha uma certa certeza das coisas ao redor.

Acreditem em mim, ser mãe transforma a gente, insufla super poderes, torna a gente capaz de fazer muito mais coisas ao longo das 24h do dia, faz a gente ter um sexto sentido mais acurado, finca mais fundo os nossos pés no chão, cria uma força que não supúnhamos possuir, amplia os limites da imaginação e da criatividade, adoça a vida e faz, enfim, com que compreendamos no íntimo e na práxis quão profundo pode ser o amor.

FELIZ DIA DAS MÃES!

sábado, 7 de maio de 2011

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Mamarazzi Week 3


Presentes de Dia das Mães.

Chego em casa cansada, depois do dia inteiro fora e encontro os dois pequenos cheinhos de presentes. Cada um segura o que preparou na escola e eu com um colar presente da Vovó Paula.

Anteriores:
Mamarazzi Week 2
Mamarazzi Week 1

Mães

Recebi um email esses dias, com o ensejo do dia das mães, falando sobre a não propriedade sobre os filhos e que a maternidade é um ato de coragem. Efetivamente, a gente sempre diz que não são nossos, que são do mundo, que são de Deus. Efetivamente, a gente repete que quer criá-los independentes e fortes. Efetivamente, a gente sempre tenta fazer o melhor que pode, porque somos mães, porque queremos o melhor pra eles, porque eles são a razão das nossas vidas. Na prática, a coisa é bem diferente.

Muitas vezes a gente acha que tem poder sobre a vida deles, a gente acha que os nossos conselhos e a nossa experiência poderão privá-los de todo mal e de todo sofrimento e que isso, por si só, já seria motivo mais que suficiente para sermos ouvidos e obedecidas e respeitadas e queridas e recompensadas com uma velhice assistida. Infelizmente, não é assim que a banda toca. A vida reserva a cada pessoa dores e dissabores, tragédias pessoais e desafios. Nós somos apenas o colo, o ombro, a mão... Não poderemos jamais evitar que a dor e o sofrimento aconteçam também com eles. Né, mãe?

O nosso papel é torná-los fortes e resilientes, fazê-los guerreiros e lutadores, fazê-los encontrar motivos para sorrir até mesmo quando a vida não é perfeita e colorida e feliz. Nosso papel é ampará-los na dor e encorajá-los a seguir, a tentar de novo, a persistir até o acerto. Nosso papel é ser amiga, cais do porto mais seguro, certeza de conforto. Nosso papel é estar ao lado, não a frente, não atrás, não com dedos apontados, não com cobranças, não com expectativas inalcançáveis.

Estar ao lado do filho sempre, é saber que ele poderá, no seu caminho e no seu tempo, fazer escolhas diametralmente opostas àquelas que achamos mais corretas e mais convenientes. Prova de amor é apoiá-lo ainda assim. Ser mãe é entender que a coisa mais importante no seu mundo inteiro pode um dia ter rusgas, opiniões contrárias, vontades que não se coadunam nem um pouco com o projeto de vida que se sonhou para o filho durante toda a gestação, durante toda a vida. Ser mãe é perdoá-lo, aceitá-lo, confortá-lo e dar todo o suporte ainda assim.

Ser mãe é entender que esse amor mais altruísta, mais entrega, mais devoção, mais sem retorno, mais apaixonado de todos, pode perdoar muito, pode aceitar tudo, pode entender o que é incompreensível, pode perceber o que está mais escondido no porão mais profundo, pode proteger e pode ser ainda muito maior quando necessário. Ser mãe é estar pronta para tudo e entregar o filho para a vida como quem entrega toda a riqueza para o ladrão, porque é certo que ela causará algum mal, mas também é certo que estaremos logo ali com todo o nosso bem querer.

Enquanto eles não crescem, meninas, a gente vai vivendo nosso pequeno conto de fadas diário.

FELIZ DIA DAS MÃES!
OBRIGADA POR TUDO, MÃE!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Mamarazzi week 2

Eu, Matheus e Thomás

A gente na festinha da escola do grandão. Ele fantasiado de Aladin (coisa mais linda, meu Deus!). Vocês precisavam ver ele dançando tudo beeeeem certinho. Matou a mãe de orgulho!

Manda essa cavalaria

Há tempos não escrevo sobre isso e minha aversão por religiões pode dar a alguns a impressão de que sou atéia ou algo assim. Que desprezo filosofias orientais e supertições. Declaro aqui: não é verdade. Já tentei ser atéia, na época da faculdade, porque chega mais ou menos essa época da vida a gente acha que é científico e esclarecido ser ateu. Quando tentei dar as costas a tudo e ser atéia, descobrir que não acreditar na existência de deus é fichinha. Deus é a parte mais simples. O problema é olhar para o mundo e achar que ele nos é indiferente, que cada coisa é resultado imediato apenas do que é lógico, aceitar as coisas tais como as vemos. Aí descobri que não sou e nunca poderia ser atéia. O meu mundo tem causas e efeitos desconhecidos, ele conspira em direções que eu não entendo. Tenho que me reconhecer como uma pessoa mística - a não ser que vocês ateus possam acreditar em feng shui.
(From: Caminhante diurno - link ao lado)


E aí, faz tempo que eu vinha pensando sobre as minhas concepções religiosas e sobre fé. Há tempos as coisas andavam meio confusas na minha cabeça. Ao mesmo tempo que existe em mim um lado prático, pragmático, racional e cético, eu descubro ser muito doloroso pensar como eu sempre pensei e não acreditar em nada. Era muito fácil dizer que não acreditava em vida após a morte quando não batia no meu peito essa esperança de que alguém estivesse do lado de lá. Era muito fácil dizer não haver um deus, nem alguém tomando conta de tudo, quando eu não precisava ter essa fé de que alguém que eu amei estivesse sendo bem cuidado em outro lugar, num plano não-físico. Era muito fácil não ter fé, não crer, não rezar, quando não havia essa dor.
 
Agora as coisas mudaram um pouco de figura. Continuo absolutamente aversa a todas as religiões. Pelo menos, àquelas com que tive o mínimo contato. Não consigo engolir o sapo da pregação de que aquilo que cada uma acha certo ser o único caminho, a única verdade. Continuo resistente a muitos conceitos e muitos estigmas, que, para mim, se revestem de moralidade frágil e preconceitos e machismo. Fato é que não consigo mais  pensar em mim como uma pessoa que não crê em nada (pode chorar de felicidade, mãe!).
 
Sinto-me mais ou menos como descrito pela "Caminhante". Sinto que nem tudo está equilibrado sobre um argumento lógico irretorquível. Sinto que não consigo conceber argumentos plausíveis para tudo. Sinto que tem coisas que estão muito além daquilo que somos capazes de perceber, entender, assimilar. Sinto que existem certos arranjos que a inteligência humana simplesmente não alcança. Eu não alcanço. Sinto que a vida toma direções estranhas e até inverossímeis se analisadas apenas pela ótica da razão. E, diante dessa verdade que me salta aos olhos, eu envergo a cabeça e passo a acreditar na máxima que diz que há mais coisas entre o céu e a terra do que julga a nossa vã filosofia.
 
Eu não sei direito o que é, nem como isso aconteceu dentro de mim. Eu nem quero me aprofundar muito nesse assunto, nem ando pesquisando sobre religiões para escolher uma para mim. Eu não sei em que pé estou em relação a tudo isso. Eu não sei explicar em que matiz de cor, variando entre a beata e a atéia, eu estou nesse momento. Eu sei que não estou nos extremos. Sinto que essa transformação aconteceu em mim e, depois do texto colado acima, eu precisei refletir um pouco mais. É só isso.
 
"Eu cansei de ser assim
Não posso mais levar
Se tudo é tão ruim
Por onde eu devo ir?
A vida vai seguir
Ninguém vai reparar
Aqui neste lugar
Eu acho que acabou
Mas vou cantar
Pra não cair
Fingindo ser alguém
Que vive assim de bem

Eu não sei por onde foi
Só resta eu me entregar
Cansei de procurar
O pouco que sobrou
Eu tinha algum amor
Eu era bem melhor
Mas tudo deu um nó
E a vida se perdeu
Se existe Deus em agonia
Manda essa cavalaria
Que hoje a fé
Me abandonou

Ver, por onde você for
Cansei de procurar
Não posso mais te dar
O pouco que sobrou
Carrego seu amor
Até não conseguir
Mas hoje eu me senti
Dobrando devagar
Tentei chorar
O seu perdão
Mas não ouvi
Sinal, será?
Isso é o meu mal

Deus, proteja um filho teu
Não deixa o mal ganhar
Por onde se esconder
Enquanto o céu tá aí
E a chave não abriu
E a estrada se acabou
E a ponte não achou
Pra lá desse lugar
Eu vou tentar
Por mais um dia
Manda essa cavalaria
Que hoje a fé
Me abandonou
"
(O pouco que sobrou - Marcelo Camelo)

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Mamarazzi week


Porque um pedido da Mirys é uma ordem. Lá vamos nós pra Mamarazzi week. Na foto, Thomás, eu e Matheus, na apresentação para o Dia das Mães da turma do pequeno menor. Sorrisos mais lindos.

PS: Tá, eu sei que a gente tá começando atrasado, mas pode, num pode?

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Aceitando convites

Eu fui convidada e atendi o chamado com honra e lisonja. Resumi em algumas linhas a história da minha vida para o blog da Camila Góes e deu nisso que vocês podem ver por lá, a história é mais do mesmo, mas o texto é inédito. Corram!!!!

Entre quatro paredes recebe Marcele Alencar

Sobre feridas magoadas

Com as alegrias e tristezas, com os sorrisos e as lágrimas, com as paixões e os desamores que vivi, eu descobri que pouco do que sentimos tem a ver com escolha pessoal. A gente não tem controle sobre quase nada no que pertine aos sentimentos. A gente não escolhe por quem vai se apaixonar e não há razão lógica alguma. Não é porque é alto, bonito, ombros largos e mãos fortes; não é porque é doce, delicado, educado e gentil; não é porque sabe dirigir bem e cantar afinadinho baixinho ao pé do ouvido... É porque é aquela pessoa, é o jeito dela, o cheiro dela, o beijo dela e fim. Ninguém mais no mundo olha nos seus olhos daquele jeito e pronto, isso basta.

A gente também não escolhe quem serão nossos melhores amigos. É uma empatia que nasce quase instantânea e recíprocamente e cresce e vira rotina, vira bem querer, vira amor. A pessoa estava lá quando você furou o pneu do carro às 18h, antes da prova final daquela cadeira da faculdade. A pessoa estava lá quando você terminou aquele namoro de anos e as lágrimas pareciam não ter fim. Estava lá também quando você e aquele alguém especial fizeram juras de amor na frente de um juiz de paz. Estava lá quando seu filho nasceu, segurou sua mão, comprou revistas, brindou na maternidade com pessoas queridas. A pessoa estava lá com ombros, mãos, braços, abraços, dinheiro, carro, lexotan e o que mais fosse preciso quando o pior de todos os momentos aconteceu. E esteve, está e estará sempre.

Acontece, vezenquando, das pessoas sumirem das nossas vidas. Em se tratando de amor, é difícil, dói tanto, faz caquinhos do coração... Entra-se num período de luto pelo fim da relação. E eu, particularmente, acho que um ex-amor pode virar, sim, perfeitamente, uma linda amizade. Em se tratando de amizade, na maior parte das vezes, não é nada, é um distanciamento temporário, é um afastamento com prazo de validade. Porque quando a gente quer bem a alguém, a gente sabe que longos períodos de silêncio servem apenas para alongar conversas futuras. A não ser que. E é esse o ponto que eu queria falar. A não ser que haja feridas que não foram tratadas e nem cicatrizadas.

E as feridas, minha gente, podem gangrenar e apodrecer qualquer relação, por mais amor que exista, por maior que seja a consideração, por mais que seja longa e duradoura a relação. As feridas mais profundas necessitam de tratamento intensivo e cauteloso, vigília constante e antibióticos potentes. As feridas são as únicas capazes de desatar laço por laço, de dizimar o bem querer, de exterminar a reciprocidade de qualquer relação. As feridas, se não tratadas e cuidadas com carinho e afeto, podem fazer nascer desdém onde antes existia amor; fazer brotar incredulidade onde antes havia confiança; fazer crescer indiferença no mesmo coração que nutriu todo o bem querer. A gente não tem poder sobre aquilo que sente e quando alguém nos fere, o que nos resta a fazer é informar que doeu. Uma vez informado, espera-se pela capacidade do outro de entendimento e percepção do mal causado.

Não sei até que ponto é possível cicatrizar o que foi ferido por objeto perfuro-cortante pronfundo demais. Também não sei se as feridas antigas realmente se fecham. De todo modo, eu SEI que a gente não tem controle sobre o que sente e sei (espero) também que resta uma enorme cicatriz no depois.

domingo, 1 de maio de 2011

Nova série: Rindo com a minha mãe I

Eu: Mãe, acho que não vou mais comemorar meu aniversário com a feijoada que eu tava pensando, gastei demais aqui em SP...
Mãe: Mas tu comprou alguma coisa pra mim?
Eu: Mãe, eu comprei presentes pra mim de Dia das Mães/Aniversário/Aniversário de Casamento/Dia dos namorados. Até ganhei desconto na Shoestock porque era o meu mês de aniversário...
Mãe: Você tá precisando de psicoterapia mesmo...
Eu: Para controlar meus impulsos consumistas?
Mãe: Não... Para aplacar a tristeza nada melhor que um bom shopping.

(Mãe compreensiva é isso!)

Um café quente numa tarde fria

"E, fatalmente, vão se cruzar por aí. São tantas as esquinas. Vocês vão beber um café quente juntos, falar amenidades, sobre novos cortes de cabelo, você está bonita, e você mais maduro, como está sua mãe e tudo mais. Nos momentos de silêncio, baixarão o queixo, com medo de amarrar olhares e, talvez, voltar tudo aquilo outra vez. Mas vai ser só isso." (Gabito Nunes)

Mas, sabe, eu não queria que fosse só isso, eu não queria que fosse mais uma vez uma coisa qualquer, um encontro qualquer, com qualquer pessoa insignificante que era uma vez esteve ali... Eu não queria tratar isso como sou tentada a tratar: palavras frias e promessas vãs que jamais serão cumpridas. Eu queria acreditar de novo e sentir importante, sentir inigualável, sentir transcendental. Eu queria olhar e reconhecer, sem precisar falar nada, como foi um dia. Eu queria abraçar apertado como quem muito quer bem e só sabe expressar dessa forma. Eu queria ouvir sua risada calorosa me animar a alma novamente. Eu queria me sentir íntima, próxima, querida. Eu queria que fosse muito mais que um café quente numa tarde fria de final de abril. Eu queria que fosse perene. Eu queria que fosse verdade. Eu queria acreditar, mas ainda não dá. As feridas que se abriram em mim sangram e molham meu rosto e eu preciso de tratamento intensivo para recuperar o que foi destroçado. Quem sabe, um dia, seja só uma cicatriz. Quem sabe, um dia, a gente ria disso junto, levantando taças numa mesa de bar. Quem sabe, um dia, façamos piada desse inverno. Assim espero. Assim espero.