terça-feira, 25 de julho de 2006

Obedeci

Mudou tudo... Passei um tempo me adaptando à nova realidade... Passei um tempo de mudança, mas cheguei aqui e descobri que aqui é meu lugar. Ele me mandou voltar a escrever com o seguinte texto:
"[...] Você só tem que escrever se isso vier de dentro pra fora, caso contrário não vai prestar, eu tenho certeza, você poderá enganar alguns, mas não enganaria a si e, portanto, não preencheria esse oco. Não tem demônio nenhum se interpondo entre você e a máquina. O que tem é uma questão de honestidade básica. Essa perguntinha: você quer mesmo escrever? Isolando as cobranças, você continua querendo? Então vai, remexe fundo, como diz um poeta gaúcho Gabriel de Britto Velho: 'apaga o cigarro no peito / diz pra ti o que não gostas de ouvir / diz tudo'. Isso é escrever. Tira sangue com as unhas. E não importa a forma, não importa a 'função social', nem nada, não importa que, a princípio, seja apenas uma espécie de auto-exorcismo. Mas tem que sangrar a-bun-dan-te-men-te. Você não está com medo dessa entrega? Porque dói, dói, dói. É de uma solidão assustadora. A única recompensa é aquilo que Laing diz que é a única coisa que pode nos salvar da loucura, do suicídio, da auto-anulação: um sentimento de glória interior. Essa expressão é fundamental na minha vida.
[...]
Remexa na memória, na infância, nos sonhos, nas tesões, nos fracassos, nas mágoas, nos delírios mais alucinados, nas esperanças mais descabidas, na fantasia mais desgalopada, nas vontades mais homicidas, no mais aparentemente inconfessável, nas culpas mais terríveis, nos lirismos mais idiotas, na confusão mais generalizada, no fundo do poço sem fundo do inconsciente: É lá que está o seu texto".*
Eu obedeci!
Tô de volta...
*Caio Fernando Abreu (Sempre...)
________________________
Nos ouvidos: A Viagem - Vanessa da Mata
Suspenderam a viagem
Fui parar em outro trem
Que beleza de paisagem
Vamos rumo à Belém
Agora que é tempo
Colher fruta madura no vento
Piqui não sai do meu pensamento
Bacia cheia de manga bourbon
Nasce um sol, nasce uma noite
e um menino também vem
Que beleza de paisagem!
É meu filho e passa bem
Agora é tarde
Não dá pra adiar a viagem
João tem 3 anos de idade
Não quero merecer outro lugar
Volto quem sabe um dia
porque os trilhos já tiraram do chão
olho as tardes, vivo a vida
Nada é em vão!

7 comentários:

Anônimo disse...

Good article! wow gold opportunity!

Debbie disse...

Vc não imagina o quanto eu estou feliz com o seu retorno! Esse texto do Caio Fernando Abreu está perfeito! Vc com certeza consegue remexer fundo os seus sentimentos, e é engaçado como eu me identifico com eles. Te adoro muito!!! :*

lua disse...

oi

mariella disse...

coisa boa tu ter voltado.
vez ou outra eu aparecia lá 'no outro lugar' pra saber de ti, te ver comentar a vida etc.

beijo grande e muita felicidade. :)

Juliana disse...

Lindo Lindo Lindo texto!!
Amei !!!
Bom seria se todos estivessem exatamente onde querem estar, assim como vc!!
Bjos e Felicidades

Thi disse...

Achei seu novo blog! hehe Bom demais pra quem tá nesse plantão tão sem sal... e sme vontade de ler ou estudar... vontade mesmo de correr atrás do Chicletão!
Amo vc, minha morena!

Camila disse...

Então, seja bem vinda de volta!!!
e é muito melhor quando é espontâneo: flui melhor!

beijo!