quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Fato

Era tão melhor quando conversávamos por horas, descobrindo milhares de pontos em comum e pequenas coincidências. Era tão melhor quando queríamos apenas ficar juntos a qualquer preço, a despeito de. Era tão melhor quando a gente dava vazão aos sentimentos em palavras que pulavam pra fora da gente como se tivessem vida própria. Era tão melhor quando nós descobríamos embasbacados o quanto um representava pro outro. Era tão melhor quando prometíamos abraços intermináveis. Era tão melhor quando era prenúncio, promessa, instinto. Era tão melhor...

2 comentários:

Cá Ponte disse...

e por que muda, né? por que o conformismo? por que permitimos que a rotina nos invada?

DRI disse...

Tb não entendo como tudo isso sempre acaba acontecendo...

Beeeeijos