segunda-feira, 3 de maio de 2010

Buscando respostas

Imagine que esse ser que faz seu coração bater descompassado; faz você sonhar com uma vida inteira a dois; faz você desejar ficar velhinho com uma mão na mão; faz você sorrir sem motivo aparente; faz você revirar os olhos de amor e de prazer; imagine que esse ser que é objeto inteiro da sua afeição mais intrínseca simplesmente sumisse do mapa. Não falo de morte, falo de sumiço. Saísse da sua vista, sem mais nenhum contato, nenhuma ligação. Nunca mais a voz, o sorriso, o abraço apertado, o amor, a sintonia, a companhia, o telefonema naquela determinada hora do dia. Nunca mais o toque, o beijo, a cama, o cafuné, a perna, a reclamação pela espera, o ciúme... Imagine que nunca mais nada...

Imaginou? Quanto tempo você sofreria diante da irreversibilidade dos acontecimentos? Quantos dias você esperaria, mesmo que não houvesse esperança alguma? Mesmo que não houvesse nenhum contato? Quantas lágrimas tombariam ao chão? Quantas noites você passaria em claro? Quantos dias você passaria com o estômago a fervilhar? Quanto tempo sem comer direito? Quantas vezes você disfarçaria os olhos inchados pela manhã? Duas semanas? Dois meses? Seis? Um ano? Não dá pra saber, né?

Imagine ter a certeza absoluta de que é irreversível, de que não se pode fazer mais nada, de que aquela pessoa simplesmente não estará mais de volta (pelo menos, não nessa vida). Imagine que a definitividade do fim seja irretorquível, concreta e pesada. Imagine que não haja opções para viver de novo esse amor (a não ser que a pessoa tenha alguma aberração mental como a necrofilia). Imagine que a única alternativa seja aprender a conviver com essa falta. Quanto tempo então para retomar sua vida? Quanto tempo para enxugar as lágrimas e volta a ver o mundo? Quanto tempo para buscar em outras pessoas o que se perdeu naquela que não mais está?

Eu também estou a procurar respostas...

5 comentários:

Anônimo disse...

Marcele, não dah pra dizer com certeza.
Cada um tem seu tempo, tem sua fase, tem seus desejos. Não dá pra calcular, não dá pra comparar!
Vc se faz esta pergunta, mas tenho certeza que tem a resposta! Bem no íntimo vc sabe...
Não se preocupe com 'o que vão pensar', só que pode saber é vc mesma!
E por mais que não o tenha conhecido, imagino que de onde o Thiago está vai entender cada decisão sua e repeitar suas razões, bem como nós assíduos leitores que torcemos muito por vc!!
Bjão.
Paula.

Kamyla disse...

Muito difícil imaginar...
Fique bem!!!
Gde bjo.

Izabel disse...

Realmente esse tempo é seu,somente SEU!!!
A nós cabe apenas,rezar,para que seja o menos doloroso possível,torcer para que encontres novamente a felicidade,pois tens o dom de SER e FAZER feliz!
Bjim nesse coração lindo!
PS:O Rio de Janeiro continua lindoooo...curta;vc merece.

narinha disse...

Tu tá no caminho certo!
cheirooooo

Érica disse...

Por vezes, quando leio o que vc escreve, tenho a exata compreensão dos seus sentimentos. E comigo aconteceu exatamente o que vc descreveu quanto a uma pessoa "sumir" da sua vida. Um dia, eu estava operada (havia chegado do hospital naquele dia), era véspera de natal, e o homem com quem eu idealizei tudo na minha vida e pra quem eu me dedicava por completo, simplesmente, chegou em casa, fez uma mala e se despediu. Saiu. Foi embora. E ali começou o que eu denomino de "o meu pior pesadelo". Pensei em tudo, desde lamentar, dia após dia, não ter tido um filho, até planejar minha morte. Se passaram mais de quatro meses e eu não posso negar que existe melhora. Com acompanhamento médico, posso dizer que estou prestes a retomar minha vida. Entender, eu não vou entender nunca. Explicação, eu não creio que nunca existirá. Mas eu sei que um dia vai passar, vai deixar de doer como dói, vai deixar de me maltratar tanto. Hoje, vejo que já tirei lições, que sou outra pessoa e que se tudo começasse hoje, seria completamente diferente e eu não viveria o "conto de fadas" que eu vivi, por nenhum segundo. Tudo foi (e ainda tem sido, é verdade) muito difícil. Tive o apoio, das mais diversas formas, de pessoas às quais serei eternamente grata. Talvez eu tivesse que ter passado por tudo que passei. Só espero ficar bem, assim como desejo que vc fique.