quinta-feira, 17 de junho de 2010

O dia

E, sim, chega o dia em que você precisa de um ombro, de um colo, de um cafuné. Chega o dia em que você sente não ter para quem ligar na hora que quiser. Chega o dia em que você sente falta das conversas que fluíam, de assistir filme esparramado na cama, de ficar naquele cantinho entre nuca e ombro onde só você cabia. Chega o dia em que você queria preparar um jantar romântico. Chega o dia em que só queria dormir de conchinha, ouvindo relatos do dia. Chega o dia em que tudo que mais se queria era segurar a mão e beijar o beijo que já se sabe. Um dia em que você queria abrir a porta e tornar tudo especial. Um dia em que mandaria as crianças para a casa da vovó. Um dia em que não haveria ponteiros, nem relógio, nem tempo, nem compromissos, nem fim porque seria só de vocês dois.

2 comentários:

Renatíssima disse...

Snif...

Kamyla disse...

Oi Marcele...como vc está?
Coloque a saudade para fora através desses lindos textos...vc se sentirá bem melhor!
Grande bjo.