terça-feira, 9 de novembro de 2010

Cartas para você XX

Thi,

Depois da terapia, eu prometi a mim mesma que pararia com o pensamento disfuncional que faz com que eu crie toda uma série de situações conjugadas no futuro do pretérito dentro da minha cabeça, em que cada frase começa com um SE impossível e pesado. Eu sei que eu não devo manter esse mundo paralelo, porque ele representa a comparação injusta e desleal com o presente dolorido de não ter você mais aqui.

Racionalmente, eu sei que não é por aí. Racionalmente, eu percebo que esse não é o caminho para chegar lá, no muito depois disso para o qual eu tenho corrido desesperadamente desde o janeiro trágico. Racionalmente, objetivamente, pragmaticamente são palavras que o coração simplesmente desconhece e nesse nove de novembro vazio, ele faz o paralelo e sente sua falta daquele jeito mais doído.

O coração tem vontade própria e ele planta na minha mente os pensamentos todos de como seria se. E por causa dos inúmeros SEs, eu fico remoendo essa dor absurda, enfiando agulhas de acupuntura nas queimaduras de 3º grau ocasionadas pela sua partida, fico tamponando com bandaids a perfuração arterial, tentando controlar a hemorragia que teima em sangrar abundantemente. Eu sei que é sem jeito, mas é também sem jeito esse tanto que dói vezenquando.

Ah, mozinho, como seria feliz esse dia com você por perto... Como seria feliz reunir todo mundo e cantar parabéns pra você, e chamar de manhã cedinho os pequenos para matar você de beijos e entregar os presentes que teríamos comprado. Como seria bom reunirmos as pessoas queridas no nosso apê novo. Como seria bom abraçar você daquele jeito, enfiando minha cabeça onde ela encaixava no seu ombro, derrubar você na cama e morrer de rir das cosquinhas que você faria em mim para eu perder a força. Como seria feliz o nove de novembro inteiro. Não esse aqui, aos pedaços, aos trancos e barrancos, suportável, sobrevivível (eu invento palavras para dizer o que sinto e ainda elas, as inventadas, não exprimem claramente).

Ainda é tão difícil acreditar que naquela curva o meu mundo se partiu. Ainda dói tanto pensar que nunca, que não mais, que jamais e que é para sempre. Ainda é pesado demais imaginar e ver os pequenos crescendo sem você aqui. Todos os dias eu me pergunto como aguento, como eu consigo. E, sinceramente, essa resposta não é fácil, Thi. Tem gente, tem orações, tem mãos, tem torcida, tem carinho e tem os trancos, as rasteiras, gente maldosa também, tem fofoca... Mas tem os nossos grandão e gorducho que cuidam de mim e me ensinam muito mais que eu a eles e tem esse negócio aqui dentro, sabe? Essa vontade de ser feliz, de me livrar dos pesos, de amar, de viver... Tem esses olhos de esperança que eu sei que são herança.

Eu sei, meu amor, que sempre vai faltar um pedaço, sempre vai ter uma marca da sua ausência nas vidas que você deixou aqui. Eu sei que, de alguma forma, você está com a gente, aqui dentro, em pensamento, em lembranças de tantas coisas boas que vivemos juntos. Eu sei, Thi, e agora é quase uma convicção, em algum lugar você permanece e é aí mesmo que a gente vai se encontrar. Mas por agora, Thi, deixa eu chorar de saudade e rir ao lembrar dos seus olhinhos que se fechavam na gargalhada, da sua ternura no sorriso, do seu carinho para com o mundo, do seu jeito de me abraçar, da sua mão de chimpanzé com dedos de salsicha - como nosso compadre dizia, do seu carisma, da sua vida, da sua luz.

Parabéns, meu amor! Parabéns!


Ainda muita saudade. Ainda muito amor.

Moreninha

10 comentários:

Afrodite disse...

Que todas as energias de amor e consolo te guiem nesse dia dolorido!
Um beijo!

Felicidade vem em 1º... disse...

Hj o céu com certeza está em festa.

Anonimo disse...

oi.há pouco tempo encontrei seu blog e o li quase todo,pra entender sua historia,em muitas partes chorei de imaginar sua dor,principalmente quando vc fala da falta que ele faz pros seus filhos,mesmo q eles talvez nao entendam realmente,mas eu tb sou mae,e nem consigo imaginar meu filho crescendo sem o pai por perto,pra sempre...sei o quanto e dificil superar a dor da perda de alguem que agente ama,eu ja perdi meu pai e um primo q era como irmao.E tenha certeza,agente nao supera,mas aos poucos agente consegue "viver" e "aceitar",mas sempre que se lembrar dele,as lagrimas,o no na garganta,o peso nos ombros,sempre vao estar em vc,mas aos poucos diminui,a saudade sempre aparece,mas aos pouco se supera."Um dia de cada vez",é assim...Vi tb em algumas partes do blog,onde vc diz q nao acredita em Deus,me desculpa se entendi errado.Eu sou evangelica,acredito muito em Deus,mas respeito a sua opiniao.Mas mesmo assim te dou um conselho,mesmo sem acreditar,converse com Ele como se falasse com alguem q vc considera seu amigo,desabafe,com suas proprias palavras,seja sincera,sincera do fundo do seu coraçao,diga que mesmo sem acreditar,peça pra Ele te ajudar a superar a dor.É so um conselho,uma tentativa de ajudar vc a superar essa fase da sua vida,do fundo do meu coraçao,a minha intençao nao e te julgar e muito menos deixar vc triste..

bjo
Paola

Anônimo disse...

Sem dúvida ele era especial. Dono de uma luz própria que emanava amor e respeito por todos. Se o céu e o inferno existem, não tenho dúvidas de que Deus reservou um lugar MUITO especial pro Thiago.

Saudades.

LuTTy disse...

Ô Marcele...
Deus te abençoe e te guarde hoje especialmente...
Um abraço.
Lu

Anônimo disse...

Querida (pq sei q vc é bastante "querida" por muitos...),

ao ler sua postagem de hoje lembrei das passagens desse livro/filme da vida real e deve ser por aí mesmo...

"- Mas Holly, a vida de ninguém é repleta de momentos perfeitos.E se fosse, não seriam momentos perfeitos. Seriam apenas normais.Como você poderia saber o que é a felicidade se nunca tivesse experimentado as quedas?"

"...você foi a minha vida Holly... mas eu fui só um capítulo da sua, haverão muitos outros (...) e aqui vai... o maior de todos... P.S - Eu sempre amarei você..."

Muito amor, força e paz!

Heloísa.

dea disse...

e as têmporas gordas... muita saudade nesse dia! bjos

Anônimo disse...

parabéns, cumpadi querido! que saudade do sorriso bonito, que sempre vinha acompanhado dos olhinhos pequenininhos! risada gostosa, que dava uma vontade de acompanhar...

saudades, querido! fique bem e cuide da marcele e dos dois curuzinhos.

beijo grande, onde quer que você esteja!

Mirys - Diário dos 3 Mosqueteiros disse...

Olá Marcele:

Descobri seu blog, hoje, por causa do da Andréia (viuva verde). Me correspondo com ela desde que ela começou...

Infelizmente, descobri que temos muito em comum: um grande amor, dois filhos vindos disso, um casamento bem bacana, um aniversário em novembro, um acidente em janeiro...

Ainda não consegui entender sua história toda (porque não encontrei um post que explique o que aconteceu), mas continuo lendo!

E como acabamos de passar mais um 9.11, espero que você esteja bem! De coração, mesmo! Porque eu bem sei o quanto dói...

Mas, também não me entrego, não!
Quando quiser, confira por você mesma (www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com).

Bjos e bençãos.

Mirys

Mirys - Diário dos 3 Mosqueteiros disse...

Olá Marcele:

Descobri seu blog, hoje, por causa do da Andréia (viuva verde). Me correspondo com ela desde que ela começou...

Infelizmente, descobri que temos muito em comum: um grande amor, dois filhos vindos disso, um casamento bem bacana, um aniversário em novembro, um acidente em janeiro...

Ainda não consegui entender sua história toda (porque não encontrei um post que explique o que aconteceu), mas continuo lendo!

E como acabamos de passar mais um 9.11, espero que você esteja bem! De coração, mesmo! Porque eu bem sei o quanto dói...

Mas, também não me entrego, não!
Quando quiser, confira por você mesma (www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com).

Bjos e bençãos.

Mirys