segunda-feira, 5 de fevereiro de 2007

Sobre o tempo

A gente tá cansado de saber que o tempo é o pai de todas as curas. Só ele é remédio pra todas as feridas, as do corpo e as da alma. Só ele apaga todas as mágoas e todas as más recordações. É único responsável pelo apagão nos destroços de uma história de amor, e, por conta disso, também é responsável pela nossa sobrevivência a estas devastações românticas.
Só o tempo mesmo é capaz de soprar as folhas da nossa vida e fazer com que aqueçamos o coração com lembranças doces, amigos queridos, infâncias remotas, tempos idos de colégio e de faculdade... Só o tempo mesmo é senhor do nosso destino e faz com que, através da segurança que a distância temporal nos dá, possamos refletir com mais acuidade sobre comportamentos e atitudes tomados por impulso, sobre nossos pequenos "regrets" (quem não os tem???).
Depois de decorrido, ele pára e encara a gente. Ri das bobagens que pensamos, quando da nossa ansiedade para que ele passasse mais rápido. Ri do quanto nos descabelamos achando que não fosse dar certo e deu; do quanto choramos achando que não fosse passar e passou; do quanto torcemos pra que ele corresse depressa e depois nos arrependemos por não termos podido aproveitar tudo direito e com detalhes.
É, o tempo é um senhor de barbas brancas e com aquela extrema experiência senil. Ri muito e sempre dos nossos impulsos cotidianos, dos nossos egoísmos corriqueiros, das nossas desesperanças, dos nossos pessimismos traiçoeiros (estes, sim, capazes de nos derrubar). Ele gosta por demais dos insistentes, dos persistentes, dos teimosos, dos decididos, dos determinados e os agracia constantemente com presentes mais que esperados, conquistados.
O tempo tem aquele quê de "eu já passei por isso" e me dá lições todos os dias . Hoje mesmo ele me acordou cedinho dizendo que nunca é tarde para perceber que ele corre sempre do mesmo jeito, não adianta antecipar o final porque ele vai chegar de qualquer jeito, não adianta apertar o botão ffw... Mais importante de tudo é aproveitar os verbos enquanto estão sendo conjugados no gerúndio, porque como dizia o poeta, o passado já se foi e o futuro é por demais incerto.

4 comentários:

Keka disse...

Oi!

Fui ao blog da Camila escrever um comentário, e vi o teu dizendo pra ela ir ao teu blog. Dai eu vim tb. E gostei. Primeiro, esse teu texto sobre o tempo. Muito real. E levando em conta algo que tô passando, já saindo, nesse momento, não há MESMO o que o tempo não cure, não há o que ele não vá apagando.

Tb adoro o filme aí embaixo. Em um certo momento eu torço pra que ele fique com a amiga, mas pôxa, fico sempre na dúvida se ela o ama mesmo ou se é só sentimento de posse, de 'ele sempre foi meu, vai ter que continuar sendo'. A música The way you look tonight é linda mesmo :)

Bom, já escrevi muito. Voltarei. :)

Keka disse...

Ah, pode escrever sobre o TEU mundo perfeito sim, à vontade :)

Debbie disse...

Amiga, tava precisando ler um texto como esse! Muiito bom!
Beijosss :***

mariella disse...

no que diz respeito ao tempo, adoro a parte das gargalhadas. sinal de que o pior já passou; tá tudo bem. demorando ou não a chegar, o fato é que é uma certeza maravilhosa. :)

beijo, beijo.

[adorei voltar aqui e devorar os textos - non stop. e espero que esteja tudo bem com o filhote.]