terça-feira, 4 de março de 2008

A vida que se sonha...

"Há um vilarejo ali
onde areja um vento bom.
Na varanda, quem descansa
vê o horizonte deitar no chão.
Pra acalmar o coração,
lá o mundo tem razão.
Terra de heróis, lares de mães.
Paraíso se mudou para lá.
Por cima das casas, cal.
Frutas em qualquer quintal.
Peitos fartos, filhos fortes
sonho semeando o mundo real.
Toda gente cabe lá
Palestina, Shangri-lá
Vem andar e voa
Vem andar e voa
Vem andar e voa
Lá o tempo espera,
lá é primavera,
portas e janelas ficam sempre abertas
pra sorte entrar.
Em todas as mesas, pão.
Flores enfeitando
os caminhos, os vestidos, os destinos
e esta canção.
Tem um verdadeiro amor
para quando você for".


Vilarejo - Marisa Monte

Ah, se o mundo fosse assim, um lugar bucólico, um lugar dos sonhos, o próprio paraíso, onde a brisa é boa e a gente tem tempo de descansar na varanda porque "lá o tempo espera". Um lugar onde só existam pessoas de bem, heróis e mães, que amamentam com seus peitos fartos filhos fortes e assim o sonho semeia o mundo real. Um lugar onde sempre é primavera, com flores espalhadas por todos os lados e no qual, em todas as mesas, há pão. Para a perfeição ser extrema, há ainda um amor verdadeiro nos esperando lá. Será?

Nos anos 70 o lugar idílico era casa de campo, onde se "possa plantar amigos, discos, livros e nada mais". E aí, nessa louca vida moderna, cansamos todos do tédio, do ócio no campo, nos entupimos de remédios antidepressivos e indutores de sono e vivemos agora num lugar insano, em que não podemos confiar em ninguém. O que não mudou de lá pra cá é a necessidade de ter pessoas ao redor, continuamos plantando amigos na nossa vida e percebemos que, apesar do mundo cão, é importantíssimo que todos estejam vivendo bem para que isto aqui seja um lugar melhor.

Não basta o pão na minha mesa, não basta o meu emprego e o salário no fim do mês, não basta que meus filhos tenham acesso à educação, é importante que todos desfrutem disso e possuam uma vida digna. Já não é suficiente o espelho, quero o toque, a gente, a comunidade. Não se é mais feliz com a liberdade da vida adulta, a independência financeira e sexual, preciso de "friends", ou seja, precisamos de alguém pra rir, pra chorar no ombro, precisamos de relacionamentos sem sexo, honestos e reais. Precisamos de seres humanos. Não só de amores verdadeiros, mas de uma vida em que sejamos amados plenamente, como amantes, como pais, como filhos e, principalmente, como amigos, porque, dentre todos os amores finitos e mortais desta vida, a amizade é o mais duradouro.

Um comentário:

nanda disse...

nossa fiz um trabalho sobre essa musica um dia desses na faculdade ...

bJos