terça-feira, 7 de julho de 2009

DECEPÇÃO

Agora é fato. há três dias do grande dia, não chegou nenhum convite na minha casa e não houve telefonema com explicações (que eu não iria compreender, obviamente). é fato consumado e não adianta estrebuchar... mas tem sido muito difícil meter nessa minha cabeça dura que uma relação construída com anos de bem querer e muita cumplicidade seja fruto exclusivo da minha imaginação. até porque eu tenho convicção de que não foi. o que mais dói é perceber que fui descartável como tantas outras amizades.

eu escolho poucas pessoas para chamar de minhas, mas os eleitos são prediletos, são queridos apesar das distâncias oceânicas, são lembrados até quando esquecidos, saber que eles existem aquece minha alma e me deixa mais segura (e feliz). quando um dos eleitos simplesmente me exclui da vida dele, eu só consigo pensar que puxaram meu tapete e que alguma coisa aconteceu entre o céu e a terra. algo que não tem razão lógica, algo sobre-humano, surreal. pq não é lógico que um dos meus eleitos me exclua sem mais nem menos.

mas não, não foi isso. o que é duro que só de engolir (porque é um sapo grande demais) é que você não significa pra ele o que ele foi pra você. não existe recíproca, quiçá verdadeira. é duro, dói que só o cão, mas move on! agora é fato estampado e eu não posso passar a vida relutando, esquivando-me de ver que minha presença é desconforto; meus emails, um transtorno; minhas tentativas (vãs) de fazer contato, uma chatice. é chegada a hora de levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima.

sim, eu sei, eu sinto falta, mesmo sem querer sentir; eu espero o contato, mesmo consciente de que ele não virá; pergunto-me se é culpa minha, mas percebo que os erros são dele; e, ao final, penso que é melhor assim e que vai passar...

3 comentários:

Camila disse...

Ai Marcele, que ruim isso. Talvez seja nossa expectativa nas pessoas que escolhemos. Mas deve ser muito desagradável uma amizade de anos, construída a base de muita confiança se esvair... É levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima! Força mulher! Beijo.

Idê Maciel disse...

Aquele cara é um chato... esquece dele você tem muitos maravilhosos amigos e um marido maravilhoso, maduro e nada infantiloide... entendeu, ne?

Jana disse...

Infelizmente a humanidade é cruel...

Uma hora a gente simplesmente cansa e acorda...

beijo