terça-feira, 21 de setembro de 2010

Cartas para você XIX

Thi,

Oito meses se passaram. Oito meses sem você. Eu ainda me lembro do desarranjo daquele dia de janeiro, da sensação de não ter absolutamente nada sob os pés, de perder a noção da gravidade, do tempo, do espaço. Lembro-me de que perdi minha paz. Lembro-me do meu desconsolo e das lágrimas silenciosas que inundaram nosso colchão nas madrugadas. Lembro-me de abafar os gritos na toalha, com a porta do banheiro fechada para os pequenos não ouvirem. Lembro-me de sentir necessidade de escrever e de reler e de reviver para passar a dor. Lembro-me da quase convicção de que minha vida terminara naquela curva. Lembro-me da quase certeza absoluta de que melhor seria se tivesse acontecido comigo. Lembro-me do medo ser tão grande, do desespero ser tão absurdo que me fizeram pensar em suicídio. Lembro-me de querer me esconder debaixo das cobertas e não me levantar pra nada. Lembro-me de achar que o mundo tinha perdido a cor, que a comida não tinha sabor, que bares não tinham a menor graça. Lembro-me de um peso terrível nas costas, da sensação de fundo do poço, de naufrágio, de que puxaram meu tapete. Lembro-me de acordar e dormir com olhos inchados e de viver cada dia como se tateasse no escuro o caminho. Lembro-me de achar que eu não fosse dar conta, que a vida seria um fardo, que o mundo era um lugar injusto e cruel. Lembro-me de ter estabelecido marcos para as lágrimas caírem livremente, para a aliança sair do dedo, para viver o luto, para o sofrimento, para virar a página. A dor, já dizia o poeta, é inevitável, mas eu posso escolher parar de sofrer.

Desde o começo, eu disse que a mudança para o apartamento novo representaria o fim do luto. Eu falei disso na terapia, eu falei disso para os nossos, eu falei disso e corri para que isso acontecesse, para que desse tudo certo. Eu sei que teve muita gente segurando minha mão e me enchendo de carinho, de palavras de apoio e de ajuda prática. Eu não teria conseguido sem eles, mozinho. Com certeza, não! Mas chegar à linha de chegada, ver o apartamento ganhar a cor, a decoração, os móveis que eu escolhi sem você e desmontar o nosso lar tem sido uma experiência dúbia, um surto bipolar. Ao mesmo tempo que me sinto radiante e plena por ter feito isso acontecer, eu me sinto pesada por abandonar a vida feliz que vivemos aqui. São lágrimas de felicidade e de saudade que banham meu rosto, Thi. Você me entende? Eu não consigo controlar. É inevitável ver a nossa história terminar. É inevitável sentir esse pesar. E, por mais que eu saiba racionalmente que devo seguir em frente, parte de mim queria ficar, queria você. E eu vou empacotando tudo e repassando as imagens, eu vou lacrando as caixas e revivendo nossa vida, e em alguns dias, tudo ficará definitivamente no passado.

Mozinho, não sei mais o que fazer daqui pra frente. Pra que miragem eu devo correr agora? O que me espera nessa vida inteira pela frente sem você? O que é que eu faço agora dos meus dias, porque até aqui era um leão pra matar por dia, e daqui pra frente? Eu busco as respostas nos sorrisos dos pequenos e, eu não sei como vou fazer, como também não sei como consegui remar até aqui. A única certeza que eu possuo é de que a gente tem que ser feliz. Torce pra gente!

Ainda saudade. Ainda amor.

Moreninha

8 comentários:

karinapinheiro disse...

Marcele,
Que saudade hein???
Lembrar-me daquele dia eh reviver a maior dor que ja me aconteceu. Sabe, tambem converso com o Thi, nao escrevo, so converso, as vezes ate argumento como faziamos. e ele sempre me responde: minha Ka vai dar tudo certo, vc vai ver!! Estou muuuuito feliz mesmo por voce e pelos meninos. Essa sua vitoria me faz mais uma vez dar razao ao meu tao amado ti quando perguntava se "ela" era mesmo a mulher da vida dele(qdo vcs terminaram) e ela chorando feito um bebe em meu ombro dizia "minha Ka amo a marcele para a vida toda" e eu juro que nao entendia, agora nao so compreendo como te amo tambem Marcele. Muito orgulho do meu amigo. Bjo enorme e muito sucesso!!!

Cele disse...

ô, Ká, coisa boa de ouvir! Obrigada pelo carinho de sempre! Beijos!

Renato disse...

Daqui pra frente será sempre assim, uma eterna corda bamba.
Uma linha tênue, onde de um lado se olha pras coisas novas acontecendo e de outro, as coisas que vão deixando de acontecer. Tudo na mesma proporção e intensidade.
Isso é o que pesa, que mata.
Tudo remete a dois extremos, e você passa a ser o fiel da balança para os seus pequenos.

(Renato)

Bruninha disse...

Olá Marcele!

Já tens uns dias que vim aqui no teu blog, e que queria comentar. Adicionei você e hoje decidi comentar.

Tô desde cedo lendo teu blog, e emocionada com tua história, quanta dor. E eu pensando que minha dor era a maior, por que ter terminado meu noivado, e hoje tenho certeza que não. Sabe, você é forte, sei que no fundo, é frágil, insegura, mais esse forte que eu digo, é que Deus te mantém assim, Ele te guia, te segura. E sei que a cada dia encontrará mais forças, não sabe-se de onde, mais encontrará. Por que você é abençoada, é iluminada.

Sinta-se abraçada por mim e tenha meu carinho em palavras.

Fica com Deus

Bjks

Janaina disse...

Marcele faz tempo que não comento mas continuo acompanhando teu blog. A história de vcs NUNCA terá fim (é dos sorrisos dos seus pequenos de onde vem essa certeza). Mil beijos e um recomeço cheio de boas energias (se depender das minhas energias pra vc, será!)

Ana D disse...

cartas me comovem...a sua lindamente me comoveu.

Adalgiza disse...

Marcele,
(Antes companheira de audiencia, hj escritora preferida...)
Sou sua fa, leio seu Blog todo dia, me emociono muito, mas ao mesmo tempo me fortaleco c as suas palavras q de alguma forma nos passa uma coragem enorme para seguir em frente. Torco muitooo por vc e acredite ja esta dando tudo certo, e eles, os pequenos, n deixam a gente cair nunca. Adorei te ver, te dar um abraco e saiba que aqui no Cratinho a qse 600km tem alguem q torce muito por vc. Boa sorte!!!
Adalgiza

Izabel disse...

Cele,
permita-me a intimidade...
É impossível não encher-se de amor,ao ler cada carta sua para o Thiaguinho,é impossível não sentir saudade de uma pessoa tão cativante,tão cheia de LUZ e energia;é impossível não acreditar que Ele e o seu anjo da guarda, estão e estarão sempre com vcs,apesar da saudade,da dor da ausência,da insegurança...
Saiba que ver o seu desenvolver durante esses 8 longos meses,é aprendizado,mas é brilho também;pois quando vcs se escolheram não foi por acaso,e nem por acaso é,todo o seu crescimento pessoal,seu crescimento enquanto mãe,enquanto mulher.
Tudo é de difícil compreensão,porém a veracidade do amor de vcs,da família que construíram e que será PARA SEMPRE,é mais clara que água,que a LUZ que brilha em sua aura,que sempre deixou meu amigo tão feliz!
Acredite...VC sabe SER E FAZER FELIZ!!!
Bjim no coração!
Minhas orações SEMPRE!