quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Nem tudo são flores...

Ter um filho é maravilhoso. Já cantei diversas vezes aqui as maravilhas da maternidade e a luz que os meus pequenos refletem sobre mim. Já mostrei a esperteza e a delicadeza com que o Matheus lida com as situações que nos são impostas. E só não contei as trapalhadas do Thomás porque ele ainda balbucia as primeiras gracinhas. Ressalto, porém,  que ele é quase sempre o centro das atenções nas reuniões familiares. Mas como diz o título, hoje eu vim dividir o fardo pesado de educar crianças. Hoje eu vim contar sobre quando eles não são iluminados e lindos e fofos...

Matheus já vem sofrendo com constipação desde que fomos pra casa da mamãe. Portanto, um mês. Tortura ter que usar remédios numa criança dessa idade, uma vez que activia, linhaça, fibras, mamão e ameixa, além de um óleo regulador intestinal, não surtiram efeito nenhum. Ele faz um escândalo, ele chora horrores, eu cheguei a pensar que tivesse algo mais grave, quis levá-lo pra fazer um ultrassom... Mas não foi necessário. Não sei se é só por causa disso, mas hoje ele teve uma crise de birra na hora do almoço. Não é comum. Em geral, ele é uma criança calma e meiga e obediente. Mas hoje ele virou a mesa, jogou o prato no chão, derrubou as cadeiras, rasgou um avental, gritou com a Lalá (a minha santa babá) e parecia tomado de fúria. A Lalá me ligou pedindo socorro.

Voltei pra casa correndo e assim que ele me viu na porta da cozinha, murchou e começou a chorar. Disse que estava muito raivoso porque o H. e o M. estavam brincando de luta na escola e bateram nele e que por isso tinha feito aquilo tudo. Eu perguntei, em tom ameno e tranquilamente - por dentro, eu tava uma pilha -, se ele achava certo descontar a raiva que ele sentia de outras pessoas na pessoa que cuidava dele. Ele disse que não. Eu mandei ele pedir desculpas, abraçar e beijar a Lalá. Em seguida, mandei ele arrumar toda a bagunça que tinha feito, inclusive varrer o chão (o que ele fez mal e porcamente, é claro, e a Lalá teve que terminar o serviço). Em seguida, levei-o para o quarto e disse que ele tinha feito uma coisa muito feia e muito errada e que sempre que alguém faz uma coisa feia e errada, tem que ter um castigo. Pelo que ele tinha feito, ele ia ter que passar o resto do dia sem DVD e sem videogame. Então, mais lágrimas e pedidos de "por favor, mamãe". Eu expliquei que quando se é adulto os castigos são bem piores; que quando os adultos fazem coisas erradas, vão para a prisão e podem ficar lá mais de mil dias e que mil era um número tão grande que ele num sabia nem contar. Ele me pediu pra contar até mil e eu expliquei que era muito, que ia demorar. Ele insistiu e quando eu cheguei ao cem, ele me disse que contar estava acalmando ele. Quando eu cheguei ao duzentos, ele tava dormindo.

Pode parecer um episódio besta. Isoladamente, eu tiraria de letra. Mas as coisas se avolumam e não ter ninguém pra dividir as responsabilidades todas e a angústia acerca de estar fazendo a coisa certa, de educar direito, vão acabar me gerando uma gastrite. Tem dias que você está pesado, arrastando o fardo e ainda acontecem coisas que dão vontade de chutar o balde. O episódio do Matheus é só uma gotinha no oceano de lágrimas que eu retenho. Vezenquando, eu deixo tudo transbordar e choro até secar, para em seguida ir enchendo meu recipiente interno. Eu só estou um pouco cansada de ser a forte sempre, a responsável sempre, a mãe e o pai. Apesar disso, eu sei que dou conta. Tenho dado até aqui e o olho do furacão passou faz tempo. Mas era isso mesmo que eu queria dividir. Nem tudo são flores...

9 comentários:

Adriana ,Sofya e Emanuelle disse...

Vc dá conta sim mamae linda!
Eu sei bem o que voce fala... Eu convivo com essa dupla maternidade solitária desde SEMPRE...
E não é facil mesmo Ma, não é..
Eu já quis chutar o balde, ja chorei, gritei , bati, me arrependi, pedi a morte, pedi outra vida, mas qdo a maré baixa eu digo: Jamais trocaria a maternidade por outra coisa... Jamais...

E se Deus nos deu eles para cuidarmos, é pq podemos!

Lílian Holanda disse...

Marcele, tenho que confessar que quando eu te conheci eu não gostei nada de você. Te achei infantil e boba. l O Alan me repreendeu por rotular as pessoas antes de conhecê-
las. Ho je vejo que ele tinha razão: você me parece muito madura. A vida fez você ficar assim. Quando estiver triste, chora logo. Ninguém tem a obrigação de ser forte o tempo todo. Você é humana. Peça ajuda quando precisar . Tenho certeza que vc deve ter muitos anjos da guarda para te auxiliar. E mais uma coisa: parabéns pelo modo como vc tem conduzido a situação e educando seus filhos.

Mariana Hart disse...

Realmente,nem tudo são flores!

Vc tem todo o diretio de sentir cansada,diria até exaustão física e emocional. Mas está sendo a melhor mãe que seus filhos poderiam ter! Uma mulher admirável!

O Matheus bebe água?Pq meu Leo sofre muito de constipação o,em 1mês já fez 2 lavagens intestinais no PS, uma delas quase teve que fazer cirurgia para retirar as fezes. água + fibra é fundamental, e a fibra sem água resseca. P/emergência "minilax" funciona!

BjãOooO!=)

Anônimo disse...

Vai dá tudo certo,Marcele.Só por esse exemplo, sei que é uma ótima mãe.Deus está com você.

Bon Vivant disse...

You're right, nobody is perfect...But, we do the best we can and that's a beautiful thing, love.

Anônimo disse...

Marcele, esse post e, principalmente, a tua reação à situação foram de uma sensibilidade e de uma sabedoria imensas. Não sei se eu disse isso antes, mas eu te admiro; admiro a coragem, a alegria e a dedicação com as quais você encara a vida. :)

Anônimo disse...

Eu como mãe solteira devo concordar com conhecimento de causa! É difícil mas passa e mais rápido do que a gente imagina. Beijos e muita força!
Janaína

Tati Lambert disse...

Sinto uma imensa e profunda admiração por essa "instituição", denominada "maternidade". Para ser honesta, os alardeados benefícios da maternidade não me tocaram (ainda). Mas qdo vejo uma mãe tentando dar conta de um filho, penso na paciência, na resignação, e em tudo mais que Deus concede a cada uma dessas mulheres, como vc.

Vc é humana, mas tem momentos que parece heroína de desenho, rs.

Izabel disse...

Sei bem o que é isso...criar filhos sozinha não é mole mesmo!
Não espere o tanque encher para desaguar...você tem sido forte sim;presente,sensata e sobretudo muito centrada,na educação de seus pequenos.Mas não deixe extrapolar, para colocar para fora.Olhe para você SEMPRE!
Conte comigo,com minhas orações,torcida e ENERGIA do BEM!!!
Bjokas no coração.
PS:Quanto ao Matheus verifique na escola como está a relação dele com esses citados coleguinhas,procure aumentar sempre mais a quantidade de líquidos por dia,e não esqueça da possibilidade de ter um fundo emocional.