quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Yes, I'd rather hurt than feel nothing at all*

Eu sempre me jogo nas coisas e acredito nas pessoas. Tenho pressentimentos bons e outros nem tanto e costumo confiar no que sinto. Às vezes, aposto alto. Outras, nem a pau, Juvenal. Mas eu sei que eu sou 8 ou 80 porque não gosto mesmo de meio termos. Eu sou intensa. E, na maior parte das situações, saber o que eu não quero me ajuda a excluir uma centena de opções e seguir em direção ao que me é mais atraente. Algumas vezes, uma porta na cara. Algumas vezes, uma rasteira. Mas quando dá tudo certo, é lindo de se ver o brilho no olhar e aquela sensação gostosa de que a vida toda faz sentido e o mundo é perfeito e que cada coisa está em seu devido lugar.

Nesse momento, tenho andado apostando alto e tendo bons pressentimentos, ambos me permitem correr para aquilo que me parece extremamente atraente e que pode, dependendo do que aconteça, me devolver esse brilho no olhar e a sensação de eixo, segurança e paz. Mas se não for, I'd rather hurt than feel nothing at all. E tenho dito!

* Verso da música Need you now - Lady Antebellum

2 comentários:

Bon Vivant disse...

I agree! Sometimes pain is a risk we must take to find joy.

Mirys + Guigo + Nina disse...

Cele:

Tô contigo e não abro!!!

Poxa, mulher (quase irmã gêmea!), bem que você podia morar em São Paulo, pra gente tomar uma coca light e trocar figurinhas, de vez em quando, né?

Bjos e bençãos.

Mirys - www.diariodos3mosqueteiros.blogspot.com